Follow by Email

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Apoleia Ferrea - Pau Ferro


19/06/2012 22h06- Atualizado em 19/06/2012 22h07

Planta da Baixada Maranhense auxilia no tratamento de diabetes

Tintura fitoterápica apresenta bons resultados na redução da taxa de açúcar.
São Luí­s é a 6ª capital brasileira com menor í­ndice da doença.

A tintura fitoterápica feita com uma árvore comum na Baixada Maranhense tem apresentado bons resultados na redução da taxa de açúcar no sangue. Testado pelo Laboratório de Fitoterapia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), o remédio pode ajudar no combate ao diabetes.

Segundo uma pesquisa do Ministério da Saúde, São Luís é a 6ª capital brasileira com menor índice da doença. Apenas 4,7 % da população tem a doença e, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Saúde, a capital maranhense perde apenas para as cidades de Boa Vista, Porto Velho, Manaus, Goiânia e Palmas.

Outra boa noticia vem do herbário da UFMA onde, quase dez anos depois de iniciada a pesquisa sobre a planta, de nome Apoleia Ferrea, conhecida popularmente como Pau-ferro. O resultado dos trabalhos indica que a tintura feita a partir da planta serve para diminuição da taxa de açucar do organismo e, por isso, é excelente para quem tem problemas de diabetes, como afirmou a coordenadora da pesquisa, Terezinha Rêgo.

A espécie tem diâmetro médio de 60 cm e é comum somente na região Baixada Maranhense. Por isso, os pesquisadores querem trazê-la para São Luís para a realização de plantio e manejo das mudas na área hortomedicinal do Colégio Liceu Maranhense. A área tem aproximadamente 600 m² e o solo é fértil, ideal para o cultivo da planta, que será usada como fonte de pesquisa para os estudantes do colégio.

Fonte: http://g1.globo.com/ma/maranhao/noticia/2012/06/planta-da-baixada-maranhense-auxilia-no-tratamento-de-diabetes.html

quinta-feira, 14 de junho de 2012


É genético! Identifique seu tipo sanguíneo e saiba como ele influencia o seu trabalho

SÃO PAULO - As características responsáveis por definir a personalidade de um indivíduo podem variar de acordo com o tipo sanguíneo de cada um. A constatação é do master coach e especialista em gestão comportamental com neurociência e neurometria, Sérgio Ricardo, que pesquisa o assunto e defende a teoria.

Segundo ele, a personalidade de um profissional, bem como as atividades com que ele mais se identifica dependem, principalmente, da genética do indivíduo. “Os do tipo A, por exemplo, servem para trabalhos que envolvam organização, planejamento, orientação e controle em geral”, diz o especialista, que garante ainda que as pessoas com esse tipo sanguíneo são mais estressadas.

“Ao menor de sinal de estresse, esses profissionais podem ficar paranóicos e depressivos”, conta.

Mas nem tudo precisa ser um problema, afinal, os colaboradores de outros tipos sanguíneos, como o B, por exemplo, não costumam ser impactados de forma negativa. “Eles são mais calmos, flexíveis, menos vulneráveis a doenças e se harmonizam facilmente com as pessoas de outros departamentos”, conta o especialista que adota como base os estudos de médicos naturopatas como James D'Adamo e Peter D'Adamo para legitimar a teoria.

“Após 10 anos de pesquisa e de avaliação em mais de 10 mil pessoas, temos percebido como o tipo sanguíneo pode influenciar o comportamento dos indivíduos em todos os sentidos”, diz.

Em prol da empresa
Tais dados podem ser úteis em uma empresa por meio do mapeamento genético de cada indivíduo a ser contratado. “Seria útil que a área de recursos humanos de uma organização soubesse interagir com as dominâncias e características dos tipos sanguíneos, pois assim, ficaria mais fácil proporcionar economia à gestão, que precisa definir contratações e promoções”, avalia o especialista.

Para ele, por meio de tal atitude seria possível avaliar, com antecedência, as competências de cada profissional antes mesmo dele entrar em um projeto ou mesmo na empresa.

Perfil sanguíneo
Na relação abaixo você pode conhecer as características de cada profissional, bem como as atividades mais apropriadas para ele, de acordo com seu tipo sanguíneo.

Tipo A: são profissionais sensíveis, inteligentes e espertos que gostam do estilo de vida urbano e intenso. Ficam refreando a ansiedade o tempo todo, mas quando explodem é melhor não estar por perto. Precisam de exercícios, calmantes e relaxantes o tempo todo, pois ao menor de sinal de estresse podem ficar paranóicos e depressivos. Por isso, se o seu chefe apresentar esse perfil, tenha cuidado! Nesta fase os profissionais costumam levar tudo para o lado pessoal, fazendo com que extrapolem as suas funções.

Tipo B: flexíveis e menos vulneráveis a doenças, os indivíduos do tipo B apresentam uma atividade mental mais agitada e se harmonizam facilmente com todas as pessoas. São os profissionais do ‘bem’, que preferem a inteligência e a paz. Para se ter uma ideia, 40% dos milionários de todo o mundo são do tipo B. Já quando o assunto são as atividades mais apropriadas para esse profissional, o gerenciamento de crise, negociação e o controle de cenários, onde esse risco está sempre presente, se destacam.

Tipo AB: aguçado e sensível, o profissional AB traz características de ambos os tipos sanguíneos e, não raro, pode apresentar uma natureza um tanto quanto excêntrica, que aceita todos os aspectos da vida sem estar particularmente consciente das consequências. Além disso, não gostam de rotina e preferem a inovação e a surpresa. “São também cativantes, carismáticos e gostam de se gabar, pois Jesus Cristo teria este tipo de sangue”, diz o especialista.

Tipo O: fortes, resistentes, autoconfiantes e ousados. Os colaboradores do tipo O podem ser muito intuitivos e se destacam por possuir uma qualidade única: um otimismo nato. São ótimos para atividades com alto índice de estresse e para tarefas que exigem mais do sistema nervoso, como vendas, desenvolvimento de campanhas e atividades de risco, dada a sua tolerância a tais situações.


14/06/2012.